sábado, 13 de dezembro de 2014

Nota sobre a interrupção das atividades da Sociedade Filatélica Ponta-Grossense, divulgada em 2004.

Reproduzo aqui apelo feito em 2004 a respeito da interrupção das atividades da Sociedade Filatélica Ponta-Grossense em 2000, no site Raphael Salem Filatelia.

Até o momento (dezembro de 2014), 14 anos se passaram e nada foi feito pela política local a fim de encontrar uma nova sede para a Associação. Infelizmente são poucos os filatelistas ponta-grossenses em atividade, tendo também faltado engajamento e disponibilidade para retomar as atividades desta instituição.


Ponta Grossa, 03 de fevereiro de 2004.

Como filatelista e ponta-grossense, gostaria de registrar minha indignação a respeito da situação da Sociedade Filatélica Ponta-Grossense. 
Em primeiro lugar, para quem não sabe, a SFP - Sociedade Filatélica Ponta-Grossense, fundada em 1938, é a mais antiga do Paraná, ainda mais antiga que a Soficur, de Curitiba, e que diversos clubes filatélicos que estão funcionando regularmente nestes nossos tempos. 
Ponta Grossa é uma cidade antiga e importante do sul do Brasil, considerada a capital nacional do Chopp Escuro, a capital cívica do Paraná, a capital dos caminhões e é também a cidade em que se encontra o maior entroncamento rodoferroviário do sul do Brasil. E, durante muitos anos, foi também a capital paranaense da filatelia, um dos mais importantes pólos filatélicos do País. É uma pena que este mérito não possa ser mais concedido.
Ponta Grossa foi e ainda é muito conhecida e valorizada pelos filatelistas antigos, pois, durante décadas, foi morada de renomados, saudosos e esforçados filatelistas, estando mais em alta principalmente nos seus anos de ouro, nas décadas de 40, 50 e, "em menor escala", até a década de 80. Até hoje é lembrada com carinho também por negociantes filatélicos, pois é uma cidade de onde saíram grandes e importantes coleções, que depois foram sendo espalhadas pelo mundo afora. Poderei ser injusto, mas citarei aqui alguns dos ilustres filatelistas que fizeram história na sua época: Dr. Plauto Miró Guimarães, Dr. Joaquim de Paula Xavier, Sr. Doná, Dr. Fulton Vitel Borges de Macedo (exímio carimbologista), Sr. Joanino Sant'anna, entre outros. Como disse, certa vez, meu amigo e filatelista Sr. Jorge Luiz Silvestre: "Hoje a maioria dos associados daqueles tempos se tornaram nomes de rua". E é assim mesmo.
Como se pode ver, e ainda deixei de falar muito sobre a filatelia na minha terra, Ponta Grossa foi uma cidade muito importante no cenário filatélico, mas atualmente não o é mais. 
Quanto à Sociedade Filatélica Ponta-Grossense, é o que lhes quero contar. Desde há alguns anos ela tinha uma sede no antigo edifício Dr. Elyzeu, na r. XV de Novembro, no centro da cidade. Era uma pequena sala com o seu importante acervo sob administração do meu amigo Sr. Jorge Luiz Silvestre, que fazia questão de comparecer lá todas as terças, quintas e sábados. Em final de 1998, descobri o funcionamento do Clube e comecei a freqüentar nos horários disponíveis, para comprar selos do Jorge, conversar, consultar o acervo e aprender mais filatelia. Algumas vezes em que estive lá, encontrei com alguns colecionadores e pudemos trocar idéias, entre eles o Prof. Luiz Carlos Godoy, outro importante filatelista de Ponta Grossa, a quem também devo sinceros agradecimentos. Porém, era muito raro encontrar o pessoal lá, e a sociedade estava, de certa forma, "abandonada" pelos demais colecionadores que sequer tinham conhecimento da existência do clube. 
Esta decadência havia começado na década de 80, mas pelo menos, até 2000, a SFP tinha uma sede. Pequena e antiga sala, mas o mínimo para que pudéssemos nos encontrar. Bem, eu sou gurizão ainda, e não entendo nada dessa história de "Lei de Responsabilidade Fiscal". A sala era de um proprietário falecido, mas, mediante algum tipo de convênio com a prefeitura de PG, ela poderia ser utilizada pelo clube, isento de pagamento de aluguel. Com a nova gestão do governo municipal, e por causa dessa lei, e também para cortar gastos para pagar as dívidas herdadas da gestão anterior, a sede foi fechada. 
Há quase quatro anos isto aconteceu, e desde então não se tomou nenhuma decisão a respeito disso. Mas também, vá perguntar para qualquer vereador daquela Câmara Municipal se sabe o que é filatelia. Se um ou dois responderem corretamente, vai ser a descoberta da América. E ainda assim pensam que é frescura de gente rica. Quanto ao acervo, que reúne catálogos de leilões importantes do passado, catálogos Yvert desde 1913, uma vasta coleção de boletins filatélicos do Brasil desde a década de 20, e catálogos de selos do Brasil, etc.: este material está sob os cuidados do Sr. Jorge, que, com muita responsabilidade, guarda tudo em sua própria casa, por não ter sede onde pôr à disposição dos interessados. 
Ano passado, houve em PG o Fórum do Selo, uma reunião entre os Correios e a comunidade filatélica para novos rumos. Em relação à história da sede, por enquanto, parece-me que ficou o dito pelo não dito. Foi prometido dispor a sede na Estação Saudade, após sua reforma, que também abrigará a escassa e malcuidada Biblioteca Pública Municipal, só que este prédio está em reforma há não sei quantos anos e eu duvido que se lembrem de nós se o prédio ficar pronto.
Só os filatelistas poucos de PG se juntarem e, com os próprios bolsos, pagarem um aluguel de uma sala e manterem um clube não é possível. É muito pouca gente interessada e abastada desse jeito. Então, era sim, necessária, uma ajuda do governo, ou da iniciativa privada, a fim de resgatar essa importante sociedade filatélica. Mas a gente fala, fala, e já viu dar resultado? É muito difícil. Porém, aqui deixo, de qualquer forma, registrada minha chateação com esta situação. A gente faz o que pode, mas poderia ser mais, se a gente fosse ajudado. Só depende de mais união e incentivo dos órgãos a quem compete fazê-lo, para que a filatelia conquiste mais jovens, mais crianças e até idosos, ou reconquiste aqueles que desanimaram dela por falta de companhia. 
O dia que obtivermos uma boa notícia em relação a isto, podem saber, colocarei em minha página e divulgarei a quem eu puder. Ficaremos todos muito satisfeitos.

Um comentário:

  1. Olá Raphael, tens interesse em vender alguma literatura filatélica? Entre em contato pelo email: salcedo.da@gmail.com
    Grato. Diego Salcedo

    ResponderExcluir